Uma pensadora poética sem ter sido poeta – Biografia mostra por que Hannah Arendt continua relevante

Crítica escrita por Kelvin Falcão Klein para o periódico Valor Econômico, do Rio de Janeiro. Publicada em 15/07/2022. Confira aqui.

Nascida em 1906 e falecida em 1975, Hannah Arendt é certamente uma daquelas figuras intelectuais que são mais famosas (ou conhecidas) do que eletivamente lidas. O recente livro de Samantha Rose Hill – originalmente de 2021 – tem o mérito de apresentar e analisar vida e obra de Arendt, mostrando de forma didática e critica a dinâmica de seu entrelaçamento com os fatos históricos do século passado.

A atividade do pensamento e a experiência cotidiana são inseparáveis em Arendt, que teve sua vida e seu trabalho marcados desde cedo pelas turbulências sociais da primeira metade do século XX.

Criada em uma família com sólida consciência política, Arendt foi expulsa do colégio aos 14 anos por liderar um protesto contra um professor. Em 1933, morando em Berlim, transforma sua casa em parada clandestina para ajudar os comunistas que fugiam do país por conta da ascensão de Hitler.

Nesse mesmo ano foi presa pela Gestapo por atividade suspeita na Biblioteca do Estado Prussiano: um funcionário a denunciou por causa da quantidade de jornais que solicitava -Arendt montava uma coleção de propaganda antissemita para documentação e envio ao exterior.

Muitos anos depois, em uma entrevista, Arendt comenta que teve muita sorte nessa ocasião. “Eu deixei a prisão depois de oito dias porque fiquei amiga do oficial que me prendeu”, diz ela, comentando que ele “havia sido promovido da polícia criminal para uma divisão política e que “não tinha ideia do que fazer”. Depois disso, foge para Paris, aprende francês e hebraico, trabalhando em uma organização que ajuda jovens judeus a emigrarem para a Palestina.

Em 1940, contudo, o governo francês impõe o internamento dos cidadãos alemães, e Arendt deve ir ao campo de Gurs, onde ficou por cinco semanas até participar de una fuga em massa. Mais uma vez ela tem sorte, como revela em um texto de 1962 “Algumas semanas após a nossa chegada no campo, a França foi derrotada e todas as comunicações cessaram. No caos resultante, tivemos sucesso em obter papéis de liberação com os quais pudemos sair do campo.

Ela consegue emigrar para os Estados Unidos em 1541, via Lisboa, mas de novo por um triz. Esperando documentos em Marselha, Arendt e o marido, Heinrich Blücher, recebem o recado de que devem comparecer à recepção do hotel – provavelmente um truque da polícia. Blücher desce, deixa as chaves e sai antes que alguém possa interceptá-lo; pouco depois Arendt faz o mesmo e horas depois eles deixam a cidade.

Do outro lado do oceano Arendt começa a trabalhar como empregada doméstica para aprender inglês: entre julho e agosto de 1941 trabalha para a família Giduz em Winchester, norte de Boston. “As primeiras experiências de Arendt na casa dos Giduz, escreve Hill, “exerceram uma duradoura influência no seu entendimento da política americana”.

A partir daí, Arendt vai aos poucos estabelecendo contatos e marcando sua presença o meio editorial universitário, contribuindo com textos para publicações diversas organizando as ideias para aqueles que serão seus primeiros livros de destaque, “Origens do totalitarismo” (1951) “Entre o passado e o futuro” (1954) e “A condição humana” (1958).

Arendt cresce e atinge a maturidade em um mundo confuso e  incerto – a Primeira Guerra Mundial as revoluções, a inflação – sem imaginar que o ponto mais trágico ainda estava por ser alcançado: os anos posteriores, de sua consagração, foram em grande medida marcados pelo esforço de elaboração dessa sucessão de eventos traumáticos.

Um dos pontos principais destacados por Samantha Rose Hill é que Arendt sempre buscou fundamentar – política e filosoficamente – a possibilidade do diálogo. Defendia que as mudanças sociais devem partir de baixo, a partir do debate entre as pessoas, da conversa franca e tolerante entre indivíduos, e não do alto a partir de leis instauradas pelo governo. Por outro lado, essa abertura às ideias alheias é também decisiva para a vida interior.

“Em ‘A vida do espírito’ – livro que Arendt começou a escrever em 1968 – ela discute o diálogo de ‘dois-em-um’, isto é, o diálogo interno que alguém tem consigo mesmo”, aponta Hill. “Arendt argumentava que, ao pensar, ninguém nunca está realmente sozinho.”

A autora de “Homens em tempos sombrios” defendia que uma pessoa não pode decidir sua identidade por conta própria: trata-se de algo que só se revela a partir das palavras e ações na esfera pública dos assuntos humanos. Arendt aplicou essa hipótese na prática, transformando-se continuamente daí a relevância de um livro que rastreia com cuidado seu percurso.

Hill afirma que ela “não foi uma jornalista, critica, ensaísta, resenhista, editora ou ativista política embora também tenha dedicado parte da vida dela a essas atividades”; foi, talvez, “uma pensadora poética sem haver sido uma poeta”. A única certeza é que a variedade de posições faz a obra de Arendt relevante ainda hoje, quase 50 anos após a morte.

Saiba mais sobre a obra e adquira o seu exemplar, acesse nossa loja virtual.